janeiro 06, 2019

Feito para amar

Não se deixa de amar só porque se quer, a razão até pode ter uma forte opinião, mas quem decide mesmo é o coração; metade de nós sabe o que precisa ser feito, mas a outra metade finge que não vê.
O coração compete com a mente e na maioria das vezes é o vencedor. 
Saudosista ele se apega demais as lembranças e vive todas elas com tanta verdade, que nem se dá conta do sofrimento que causa. 
Se recusa a desistir, porque só de pensar no abandono já se sente diminuído. 
Pensa que vivendo assim, amando indefinidamente nada se perderá; é vulnerável e ingênuo.
O problema é que não sabe diagnosticar sozinho a hora de parar e continua seguindo o caminho que escolheu, até que se perca, vendo-se num deserto, sem ninguém para ouvi-lo.



janeiro 05, 2019

Pais e filhos da nova era


?Fomos nós que erramos ou tem sido a própria evolução que tem moldado nossos filhos.
Percebemos um certo desânimo nessa mocidade atual, agem como se tudo fosse difícil e complicado demais. Há depressão generalizada e ficamos nos perguntando o porquê de sentirem-se assim, já que vivem numa era tão promissora, lhes oferecendo tantas facilidades. Acreditamos que o problema seja esse mesmo: facilidades demais.
No tempo em que nós, os pais, éramos também jovens, não tínhamos internet, celulares, inclusive eram poucos os que tinham telefone em casa, no entanto sobrevivemos e nos tornamos adultos conscientes e determinados.
O excesso de informações digitais ao qual estão expostos tem causado cansaço e esgotamento mental, além do fato de parecem velhos, já cheio de dores, graças a passarem intermináveis horas na frente de seus eletrônicos.
O que parece faltar aos nossos jovens é mais alegria, comemoração pelas pequenas vitórias, pois todas são essenciais. Precisam aprender a viverem uma vida externa, enfrentarem pessoas reais, saberem realmente o que acontece fora das paredes de suas casas.
Quando nós os educamos até a adolescência, contamos a eles sobre o certo e do errado, fizemos com que entendessem a importância de um bom caráter, no entanto nenhum de nós estava preparado para o que viria, o quão comprometedor o mundo virtual seria. É triste ver que embora hajam tantos caminhos, eles ainda se sintam deprimidos.
Na nossa própria juventude vivíamos muitas privações, nossos pais não podiam oferecer-nos mais e com isso já entendíamos que o nosso futuro dependeria única e exclusivamente de nós.
Embora hoje estejamos indignados com os seus temores, pouco podemos fazer, pois eles precisam aprender sozinhos, como nós aprendemos; precisam lutar para que saibam enfrentar todo e cada desafio.
Viver de verdade é bem mais do que andar numa gigantesca e perigosa montanha russa, quando apenas o seu personagem é que corre perigo, além do que são apenas eles que podem morrer e ganhar nova vida logo em seguida.



Quando tiver que escolher sentimentos que permanecerão em você, escolha sempre o AMOR, ele é o único que se pode realmente confiar. É forte e verdadeiro, mesmo que algumas vezes nos faça também sofrer.
O AMOR nos transforma em pessoas melhores, passamos a olhar o mundo e tudo que há nele de uma forma mais humilde e não pretensiosa. Pare de ouvir quem não te faz bem, deixe para traz o que de alguma forma te magoou, não vale a pena alimentar ressentimentos.